Super Alimentos: Fígado

Um destes dias fizeram-me a seguinte pergunta, após ter colocado uma “noz” generosa de manteiga sobre uma mal passada peça de carne de vaca: “Tu lês na Internet que a gordura animal faz melhor que a vegetal?”. Após a minha resposta positiva, confrontaram-me então com o ditame: “Fica sabendo que no Centro de Saúde dizem o contário, por isso é que eu como um bocadinho de tudo! Qualquer dia estás [claro] cheio de colesterol, a tua sorte é comeres vegetais”

Á parte do comentário do colesterol, que sinceramente é que mais oiço, aquele “(…)bocadinho de tudo!” ecou durante alguns minutos,e claro um elenco do menu daquela pessoa num dia normal surgiu-me  meio envoado entre uma e outra garfada de bife com manteiga:Ora o pequeno-almoço consiste num pão “escuro”, com creme vegetal e uma meia de leite, claro com leite magro. Provavelmente a meio da manhã, uma maçã com uma ou duas bolachas de água e sal.(água e sal? nunca entendi porque se chamam de água e sal quando são feitas de trigo) O almoço é uma peça de peixe ou carne magra,  com salada(leia-se alface). Uma ou outra colher de arroz/massa/batatas.  O lanche da tarde repete o da manhã. O jantar é uma taça de cereais com leite, ou um bocado de arroz com um “bocadinho de carne”. No fim, um iogurte ou um doce ou “um bocadinho” de qualquer coisa que apeteça.

No final de contas, tira carne põe peixe, a dieta é francamente pobre em termos de micronutrientes essenciais, francamente pobre em gorduras essenciais( um pouco de azeite na salada, e polinsaturados no creme vegetal ou no óleo das conservas ou fritos, sim pelo menos um “bocadinho”)  e pobre em energia. Depois, invariavelmente comparo com o que comi eu nesse dia: uma boa porção de carne de vaca, manteiga de pasto, espargos, tomate e cenoura, azeite, cerejas, sardinha,  abacate com coco ralado, batata-doce, um copo de leite de coco fermentado com kefir,  couve e cenoura fermentadas, alface, cebola, uns dentes de alho crús, chocolate negro, um caldo de carne com um algas,  3 gemas de ovo…A verdade é que quem come um bocadinho de tudo acabo por ser eu.

Após esta conversa toda, os vegetais que como são provavelmente a menos nutritiva opção alimentar que faço diariamente: são pobres em minerais, pobres em energia, e medianos em alguns nutrientes. Tenho a certeza que manteria níveis adequados de micronutrientes se os excluísse da dieta e incorpora-se mais peixe ou mais…..Fígado.

Introduzo assim  um daqueles alimentos que é e deve ser sempre um básico na alimentação.  Imaginar-me numa situação  onde teria de recolher directamente da natureza  os meus alimentos, decerteza que nao desperdicaria a mais ínfima parte da minha peça de caça: músculo, ossos para caldos com ervas em tempos de escassez, gordura pela saciedade e valor energético,e as miudezas pelo rico valor nutricional.

As propriedades deste orgão-especialmente quando colhido de animais bem alimentados- são de tal forma extensas que é por muitos considerado como o multivitamínico natural mais potente. Uma pequena porção, em comparação com maçã, cenoura ou mesmo carne muscular vermelha, pode ser vista no quadro abaixo.

As famosas iscas á portuguesa, podem perfeitamente serem incorporadas num estilo de vida saudável! Desde que não as decida fritar em margarina ou em óleos vegetais de origem dúbia, devem ser um complemento alimentar importante, juntamente com um outro conjunto de alimentos que apelido de super-alimentos, e aos quais dedicarei um post especial para cada:  produtos fermentados , caldos de carne e peixe e marisco e vegetais marinhos.

As particularidades mais evidentes do fígado de vitela  são a sua grande concentração em Vitamina A e Vitamina B12 e Fósforo extremamente importantes para uma função genética óptima. A Vitamina A é especialmente importante no tratamento de problemas de inflamação, nomeamente o acne.  Para além dessas virtudes, é uma fonte muito rica de biotina. A comparação é óbvia, mas anedótica: se queremos uma boa função hepática, que melhor comida para ofazer que o próprio figado de animais saudaveis, bem alimentados e felizes?

Para tal, aconselho duas fontes fidedignas: figado de vacas barrosã(certificada se não comprada ao produtor) ou então o belíssimo fígado do Solar da Giesteira, produtor que assegura a qualidade, frescura e comodidade do serviço. As entregas são ainda gratuitas e abrangem um leque de cerca de 150km(Consulte o site para mais informações). Claramente que se conheçe alguém em quem confie e lhe arranje fígado de qualidade, é sempre uma mais valia. Apoie a produção local o máximo que consiga.

Como preparar?

A minha forma favorita de o fazer é directamente salteado em óleo de côco, um pouco de manteiga ou ainda óleo de palma virgem. Como tempero, alguns dentes de alho, louro seco e umas pitadas de flor de sal de Aveiro fazem muito bem o serviço. Se preparar a refeição com alguma antecedência, o que não é fácil na vida quotidiana, gosto de acrescentar uma solução acídica que contenha vinagre de cidra ou limão fresco, marinando a carne e facilitando a absorpção dos outros temperos.

Para aqueles que não gostem do sabor, deixo ainda uma alternatica: patê.

Ingredientes:

500gr de fígado, 50gr de manteiga de pasto, 1 cebola média picada, 2-3 fatias de bacon em tiras, noz moscada, sal, salsa, coentros e uma pitada de canela

  1. aloure a cebola e o bacon em 30gr de manteiga. De 5-7 mintuos em lume médio-alto.
  2. adicione o fígado em tiras ou cubos, adicione os 20gr de manteiga, reduza o lume para baixo. Deixe cozinhar por 10-15minutos.
  3. Desligue o lume, adicione os temperos e deixe apurar com um testo por 5minutos.
  4. Adicione pequenas porções do preparado ao seu processador de comida ou 1-2-3. Reduza até formar a pasta com a consistência desejada. Repita o processo para o restante fígado.
  5. Coloque todo o patê num recepiente de vidro, reserve por 2horas no frigorifico antes de provar.
  6. DICA: óptimo servido sobre peças de carne, lascas de vegetais( com cenoura ou pepino são uma entrada óptima) ou de batata doce assada.

Já sabe, não tem desculpa para não experimentar! Fique atento que brevemente saíra um segundo posto sobre o superalimento caldo de carne.

 

4 thoughts on “Super Alimentos: Fígado

  1. A minha forma de preparar: passar os pedaços de fígado por água antes de cozinhar; caramelizar uma cebola cortada às tiras em manteiga (lume baixo durante meia hora, ir mexendo frequentemente); retirar a cebola e, na mesma frigideira, adicionar um pouco de óleo de coco e saltear de cada lado 1 ou 2 minutos, dependendo da espessura.

  2. Obrigado por este post. Muito bom. Não sou apreciador de fígado, nunca o fui, de qualquer das formas vou seguir as vossas dicas, e ganhar coragem, cortar com as memórias passadas e experimentar. Quero mesmo passar a gostar deste superalimento!!!😀

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s